Um poema a Praça Mata dos Araújos

Praça Mata dos Araújos

A praça da minha infância

Corri, percorri e brinquei.

Alimentei sonhos, construí pensamentos.

Guardei segredos em suas raízes

Amigos e aventuras

Ao cruzar por você até mesmo na madrugada.

Também perdi amigos ali

E vi muitas pessoas se perderem

Alguns pelas drogas e outros pelo álcool.

Mas não vou deixar de recordar a infância

O tempo nostálgico de nossas vidas

Das crianças que brincavam até anoitecer.

Até parece contos de fadas

O primeiro beijo, a primeira namorada.

Palavras de amor e a paixão juvenil.

Por um fio quase tudo foi descoberto

Quase destruíram os nossos castelos

Ao o amor que se dizia eterno.

Moderno tempo que nos consome

Traça e retraça destinos

Para a Praça Mata dos Araújos.

Um silêncio fúnebre ao ver o passado

O futuro modificado que ainda não aceitamos

Já que estou longe de você por mais de onze anos.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s