Ao vento…

Rasgo todos os versos. Finjo acreditar que vocês se importam comigo. Fantasmas brincam em frente ao espelho. Jogo meus ossos sob a cama fria, folhas secas invadem meu quarto. Vozes sussurram enquanto tento aquecer meu corpo. Inverno, cores amargas. Ando por cômodos vazios, deslizo minhas mãos pelas paredes, danço sem música. Janelas e portas trancadas, ruídos e chiados psicodélicos. Íntimo, vicioso e melancólico instinto. Grito: “Viva…”, mas não consigo escutar minha própria voz no fundo deste oceano. O relógio está parado, mas observo o dia amanhecer e escurecer por diversas vezes. Cavalos brancos cruzam a sala de estar, aviões soviéticos sobrevoam a cidade. Canções de amor sempre deixam marcas… Lágrimas de sangue, desespero, ânsia. Leões beijam meu coração e lobos circulam envolta.

Vamos lá, deixe um comentário ; )

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s