Ao vento…

Rasgo todos os versos. Finjo acreditar que vocês se importam comigo. Fantasmas brincam em frente ao espelho. Jogo meus ossos sob a cama fria, folhas secas invadem meu quarto. Vozes sussurram enquanto tento aquecer meu corpo. Inverno, cores amargas. Ando por cômodos vazios, deslizo minhas mãos pelas paredes, danço sem música. Janelas e portas trancadas, … Continue lendo Ao vento…