Estilhaços

O corpo. A voz. O tempo que não regressa. A arte de ver tudo quebrado. A nudez e o prazer sempre foi o nosso confessionário.   Lá estava minha beleza indefinida. A saudade translúcida, cordial a angústia. O quarto vazio. Meu retrato perdido.   Palavras, rabiscos, rascunhos jogados no chão. Nossa vida é uma obra … Continue lendo Estilhaços