A morte é uma arte

Ao andar pelas ruas guardo-me em meu mundo, tranco-me por alguns instantes. E aquele ou aquela que olhar para a minha face irá enxergar apenas um homem com uma fisionomia abatida, triste, melancólica. Por fim, serei passageiro, como um devaneio, passarei despercebido. Sendo assim, não me importo e continuo a caminhar por avenidas tumultuadas, pessoas … Continue lendo A morte é uma arte