Mundo de desencontros

Já caminhei sem destino, vaguei nesta viagem a procurar de algo que não sabia bem ao certo. Olhava ao redor e observava aqueles rostos abatidos pelo cansaço, pelas batalhas ou sobrevivência, em outros momentos tinha aqueles que estavam repletos de energia, luz e juventude. Cercado de sorrisos largos e macios como a pele de uma mulher formosa.

Os meus pensamentos não estavam presos, mas ainda eu tinha a breve impressão que a minha alma e o meu coração não estavam em repouso. Durante as madrugadas frias, via-me sempre com o mesmo desejo, o mesmo sonho e ao amanhecer tudo se encontrava indiferente. Cinza, tão cinza como as nuvens que passa pela janela.

Houve momentos que a única coisa a fazer era se esconder em universo que realmente apenas eu saberia o destino e o que seria necessário carregar para este trajeto. As pessoas olhavam e passavam sem questionar a minha presença, o meu corpo, o meu odor e a minha humilde aparência. O inapreciável invisível abraçado pelas frustrações e a depressão.

Fez apenas que os joelhos não fossem ao chão novamente e que aos céus chegasse algo que poderá mudar o ciclo. Mas enquanto isso, tudo era simplificado e mistificado perante o clone de nossas aparências a este mundo de desencontros.

 ***

 

Vamos lá, deixe um comentário ; )

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s