Metamorfose

A rosa caiu. As maldades se expandiram, gigante massa viciante.

Constrangimento constante, ver todos os habitantes ignorantes, jogados em todos os caos existentes. Crentes.

De nada, de tudo e nem sempre. Mas ainda viveremos iludidos. Perdidos.

Secos. Como a terra que nada produz, cultiva-se.

A onde? O que? Como?

Portanto. Prefiro ver o imaginável e tentar entender o inexplicável, como o perfume da rosa, a eterna rosa.

Lembrada no amor, na dor e na morte.

Quantas neuroses?

Mas não entenderam a sua metamorfose.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s